Buscar
  • Rodrigo Pazetto

Como funciona o Daltonismo?

Você sabia que um em cada dez homens e uma de cada 200 mulheres são daltônicas? Isso ocorre pois raramente as mulheres possuem dois cromossomos sexuais X, ou seja, o cromossomo que está ligado a esta condição geneticamente hereditária e recessiva. Para compreendermos esse distúrbio da visão que interfere na percepção das cores, é preciso entender como ocorre o funcionamento de nossos olhos.


As cores que enxergamos no dia a dia correspondem aos comprimentos diferentes de onda de luz que, refletidas ou emitidas pelo corpo, atravessam uma lente (o cristalino), sendo projetada numa região ao fundo dos olhos que capta esses estímulos luminosos, transformando em impulsos elétricos (a retina), transmitindo para nosso cérebro através do nervo óptico. Responsáveis pela visão diurna e a percepção das cores, os cones são um tipo de célula fotossensor presentes na retina que podem ser divididos em três tipos diferentes, respondendo ao comprimento de ondas das cores vermelho, verde, azul e suas variantes. Já os bastonetes, também presentes na retina, funcionam com pouca luz, possibilitando melhor visão noturna e periférica, produzindo imagens em preto e branco com todas as gradações. Desta forma, o daltonismo é caracterizado pela alteração no pigmento dos cones e/ou ausência dessas células fotorreceptoras.


Veja algumas das características dos três tipos de daltonismo: Protanopia Ausência/diminuição de pigmento vermelho

Sensível à ondas de comprimento longo

Visão com mais tons de bege, marrom, verde ou cinza


Deuteranopia Ausência/diminuição de pigmento verde

Sensível à ondas de comprimento médio

Visão com mais tons de marrom


Tritanopia Dificuldade para enxergar ondas curtas como diferentes tons de azul e amarelo

Visão com mais tons rosados


Para descobrir a existência ou não dessa condição, já existem diferentes exames que determinam tanto o diagnóstico quanto o grau de comprometimento na percepção das cores: o anomaloscópio de Nagelan, as lãs de Holmgren e o teste de cores de Ishihara. Você conhece alguém que tenha essa condição ou ficou curioso para mais informações? Continue acompanhando nosso blog ou entre em contato conosco para tirar suas dúvidas.


0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo